Como fazer pegar o hábito das 1-on-1s na sua organização

1-on-1s; one-on-ones; 1-a-1s; 1-to-1s. Seja lá como você chamar essas reuniões periódicas entre gestor e liderado na sua organização, todos sabemos que fazer o hábito pegar de vez nem sempre é fácil. Nesse artigo, falamos sobre algumas regrinhas de bolso que podem ajudar você a fazer esse hábito pegar entre os seus liderados.

O que são one-on-ones?

Já discutimos bastante o que são one-on-ones: são reuniões periódicas entre um gestor e seu liderado que tratam dos mais diversos assuntos de interesse dos dois, como vida pessoal, objetivos de carreira, desenvolvimento de performance, feedbacks, expectativas e planejamento de esforços.

Vimos também que boas one-on-ones geralmente tendem a ser compostas por uma maior parte do tempo em que o gestor ouve e o seu liderado fala. É um tempo que deve ser de "propriedade" do liderado; um espaço sagrado para que ele se expresse.

Por que é difícil fazer as one-on-ones pegarem?

Qualquer hábito que não seja imediatamente gratificante, como comer chocolate ou ver o Instagram exige esforço e disciplina para "pegar". One-on-ones não são diferentes. Seu benefício está muitas vezes no futuro, e pode parecer bastante difícil de se calcular no curto-prazo. No entanto, elas são absolutamente cruciais e correlacionadas com ganhos de performance, engajamento e satisfação no trabalho, tanto por parte de liderados como por parte de seus gestores.

Como fazer o roll-out das one-on-ones?

As one-on-ones sempre partem de um gestor que passa a fazê-las com frequência com seus liderados. E geralmente é esse gestor que pode começar a expandir a prática dentro de uma organização, à medida em que começa a exigir que seus liderados também as façam com os seus liderados (ou seja, neste caso os liderados dos liderados).

O ideal é que esse gestor "pioneiro" espere algo entre 3 e 5 meses do início da sua prática para começar a exigir o comportamento dos seus liderados. Esse tempo permite que estes últimos entendam e percebam o valor da prática e como ela deve ser conduzida. Assim, após 3 a 5 meses de one-on-ones periódicas (sugerimos semanais ou quinzenais), os liderados de um gestor já têm uma noção muito mais completa e como irem e realizarem-nas com seus liderados.

Como ter certeza de que as one-on-ones estão acontecendo?

A melhor forma de um gestor cobrar que seus liderados façam suas one-on-ones é através de perguntas. Assim, quando o gestor "pioneiro" está fazendo sua one-on-one com um liderado, ele pergunta se este, seu liderado, está fazendo one-on-ones regularmente com seus próprios liderados. A melhor forma de formular essa pergunta é: "conte-me: quantas one-on-ones você fez com seus liderados nos últimos 15 dias?".

A idéia com esse tipo de follow-up é principalmente entender a tendência das quantidades, e não auditar semana a semana o que o liderado está fazendo. É entender se o liderado está fazendo gradativamente mais reuniões desse tipo, e levando a prática a sério.

Outra forma extremamente eficiente de checar se elas estão acontecendo é pedir para ler as anotações das one-on-ones que seus liderados têm com seus times. As anotações podem ser bastante reveladoras e educativas para todos, e ainda servem de forma de o gestor "pioneiro" entender se a prática está realmente acontecendo.

Por fim, uma terceira forma de acompanhar a ocorrência e eficácia das one-on-ones é levantar o assunto em one-on-ones skip-level, onde o gestor "pioneiro" senta-se para conversar com os liderados dos seus liderados. É um excelente jeito de entender e ajudar seu liderado inclusive a melhorar sua prática. Aqui, servem perguntas como: "Nas últimas semanas, quantas one-on-ones você realizou com seu gestor? Como foram elas?"

Esperamos que você tenha obtido algumas boas inspirações de como fazer as one-on-ones "pegarem" na sua organização! É um hábito excelente e que vale o investimento :)