Feedbacks: Quanto mais melhor

Fato: Quanto mais feedbacks são trocados entre colaboradores dentro de uma organização, melhores são os resultados individuais (e como consequência os resultados da empresa).

Feedbacks também fazem muito bem para a carreira. No livro, Thanks for the feedback: The Science and Art of Receiving Feedback Well, Douglas Stone e Sheila Heen expõem os resultados de uma extensa pesquisa onde mostram que profissionais que buscam feedbacks com frequência, especialmente feedbacks construtivos, são percebidos como mais competentes, se estabelecem em novos papéis mais rapidamente e possuem desempenho maior do que a média.

Mas afinal, o que significa feedback?

Feedback vem da junção de duas palavras de origem inglesa: "Feed” e “Back”. Ao pé da letra, poderia ser traduzido para algo como “Retroalimentação” ou “Retroação”. Por ser pouco acionável  vamos a uma definição mais prática:

Feedback é o processo no qual uma pessoa ajuda outra a se desenvolver através de suas próprias percepções (sejam positivas ou negativas).

Idealmente, parte-se sempre da premissa de que a intenção do emissor é o genuíno interesse no desenvolvimento do receptor. Caso o motivo do feedback seja outro, se não este, é apenas uma forma de desabafar as próprias frustrações.

Mas esse artigo não é um paper acadêmico sobre a origem do feedback:  é  uma provocação para você (profissional de recursos humanos e/ou executivo) rever seu modelo de gestão de performance baseado em ciclos extensos e cansativos de Avaliações de Desempenho e pensar em um modelo mais fluido e constante, onde as pessoas são vistas como agentes de mudanças e onde o fantasma da "imaturidade" não mais espanta.

Chamaremos este novo modelo de Feedbacks Contínuos.

Por que os Millennials precisam de Feedback Contínuos?

Até 2025, os famosos Millennials (aqueles nascidos entre 1980 a 2000) irão representar, aproximadamente, 75% da força de trabalho mundial. Goste ou não, esta é uma realidade que não tem volta. Sendo assim, é papel fundamental das organizações entender como essa geração trabalha e o que buscam.

Dentre suas características, seu espírito empreendedor é a mais marcante. Ela está relacionada ao fato de que os Millennials sonham (muito) alto e que, em sua maioria, aspiram por cargos de liderança. Além disso, estão tão determinados a alcançar tais objetivos que cada vez mais buscam ferramentas e práticas capazes de ajudá-los a alcançar seus sonhos.

Partindo da premissa de genuíno interesse no outro e de total  transparência, os feedbacks entram como a prática capaz direcionar nossas ações e comportamentos em direção aos nossos sonhos, trazendo inputs de melhorias e reforçando comportamentos positivos. E os millennials não só estão abertos a receber feedbacks como buscam-nos o tempo todo.

Fonte: Harvard Business Review

Se você deixar para dar um feedback ao seu funcionário no fim do ano, acredite: ele provavelmente não estará mais aí para recebê-lo!

Por que feedbacks contínuos contribuem para uma cultura de Growth Mindset?

Growth Mindset, (o contrário de Fixed Mindset) é a escola científica que defende que inteligência, criatividade e habilidades são mutáveis a partir de prática, aprendizado e esforço, ao invés de estáticas e imutáveis. E por este motivo, esta é a características daquelas pessoas que alcançam níveis superiores de realização pessoal e profissional.

O infográfico abaixo define muito bem a diferença entre o Growth mindset e o Fixed Mindset e tenho certeza que você se enxergará em pelo menos algumas das afirmações:

Fonte: 7 steps to adopting a Growth Mindset at your school

A visão de que podemos desenvolver nossas habilidades  se dedicarmos esforço e estudo altera fundamentalmente as relações de trabalho, que antes eram baseadas em uma visão mais rígida e julgadora da performance dos funcionários.

Se conectarmos os pontos, fica evidente que feedbacks e Growth Mindset têm tudo a ver. Já que os feedbacks são uma grande ferramenta de apoio para aquelas pessoas que desejam encarar desafios como oportunidades e que desejam alcançar níveis de excelência não antes imagináveis.

Mas isso não é apenas um capricho: uma cultura de crescimento e desenvolvimento dá resultados práticos, pois contribui com senso de urgência, com geração de resultados, e mais importante, com melhoria contínua de processos, práticas e indicadores.

Por que feedbacks contínuos são bons para o seu negócio?

Pensem nas vantagens de receber Feedbacks contínuos similares as vantagens de um GPS em relação a um Mapa de Papel. Ambos te fornecem instruções  ao seu destino. O GPS, entretanto, te direciona no contexto de uma avaliação precisa do local onde você se encontra no momento. Da mesma forma, em tempos, onde não só mudamos como tudo em nossa volta também muda rapidamente, é importante aprendermos continuamente sobre como podemos melhorar nossa performance superando assim obstáculos e desafios.

Analogamente pense em um Avião de carreira com um GPS/Sistema de Navegação que só mostra a posição do avião de hora em hora. É provável que se este avião não cair ele demore muito mais do que o normal para alcançar seu destino.

Conosco não é diferente. Se esperarmos um ano para darmos feedbacks aos nossos liderados é provável que até lá eles já tenham se demitido de frustração. Ou ainda é provável que estejam muito fora da rota desejada pois seu "GPS" não está funcionando da maneira adequada.

Para finalizar, é evidente que mais feedbacks têm um impacto significativo no resultado da empresa. Acompanhe comigo duas rápidas linhas de raciocínio:  Quanto mais feedback, menos as pessoas - e a empresa - desviam de sua rota planejada (a estratégia). Assim, menor o gap entre estratégia e execução.

Paralelamente, quanto mais feedback, mais desenvolvimento, e por consequência, mais rápido acumulamos habilidades e competências. Quanto mais habilidades e competência acumulamos, mais preparados estamos para encarar desafios e superar obstáculos. Quanto mais desafios e obstáculos superamos, mais próximo dos nossos sonhos estamos. Quanto mais próximo dos nossos sonhos, mais motivados estamos. Quanto mais motivados estamos, mais entregamos. E quanto mais entregamos, mais a empresa cresce, consequentemente mais lucro é gerado!

Estou convencido e quero começar. Mas por onde?

Claro que a teoria não leva em conta a complexidade de tais trocas na prática. O psicólogo Daniel Coleman afirma que "As ameaças a nossa posição aos olhos dos outros são extremamente potentes biologicamente, quase como aquelas ameaças à nossa sobrevivência", isto é, biologicamente falando não estamos preparados para receber Feedback visto que nossos cérebros interpretam estas mensagem como uma ameaça a nossa sobrevivência.

Por outro lado, também não estamos preparados para dar feedbacks já que tememos a defensividade do outro e mais ainda tememos causar sentimentos ruins e desentendimentos.

Minha resposta: Feedbacks, quanto mais melhor!

Você provavelmente deve estar pensando, “Mas Malu, um feedback mal dado pode ser destrutivo e ineficiente, não?”. Se partimos da premissa que o maior preditor de que o receptor se comportará defensivamente não é a elegância e precisão da mensagem e sim o que motiva o emissor e que as intenções deste emissor é o genuíno interesse no crescimento e desenvolvimento do receptor, então não, a mensagem não é nem destrutiva nem ineficiente.

Claro que, podemos e devemos melhorar a forma como damos e como recebemos estas mensagens, e por serem processos tão relevantes serão abordados em outros posts. Entretanto, o principal motivo pelo qual pessoas no geral têm dificuldades em receber e dar feedbacks não é a falta de proficiência e sim a falta de frequência.

Feedbacks devem ser trocados frequentemente e na medida do possível em tempo real, o que significa que as pessoas ainda devem se lembrar do que aconteceu. Se tiver algo a dizer, diga! Pense antes de falar, claro, mas diga! Suas percepções podem ser de extrema importância ao processo de desenvolvimento de outras pessoas e ajudar e acompanhar o crescimento do outro não tem preço que pague.

Essa troca não é só prazerosa como educativa à medida que quanto mais trocamos melhores e mais precisas se tornam nossas mensagens. E a medida também que melhoramos nossa mensagem ajudamos o outro e aprendemos a receber de forma mais eficiente suas percepções.

Na minha opinião, este processo é enriquecedor já que ao  aprendermos  receber e dar feedbacks entendemos que apesar de incríveis ainda temos muito trabalho a fazer e que entendermos que somo seres em desenvolvimento abre espaço para abraçar desafios, persistir ao encarar obstáculos, ver o esforço como o caminho para a excelência e aprender com as críticas resultando, inevitavelmente, em níveis superiores de excelência e conquistas.

Quer saber mais sobre feedbacks? Baixe agora - grátis - nosso "Guia Definitivo do Feedback"