Você sabe qual é a relação entre learning e PDI? Para entendermos o conceito de PDI e a sua importância dentro de uma empresa, precisamos inicialmente compreender que o processo de gestão de desempenho se dá em ciclos. Inicia com o estabelecimento de expectativas para a pessoa colaboradora (metas e objetivos) e o ápice do ciclo se dá com a Avaliação de Desempenho, período no qual vai avaliar se o(a) profissional atendeu a essas expectativas analisando seus resultados e comportamentos.

Com a Avaliação de Desempenho feita, é preciso elaborar estratégias para que a pessoa colaboradora possa se desenvolver (daí surge a necessidade de contar com o PDI). Elaborar o PDI não é um desafio para lideranças e nem para as empresas. Porém, acompanhá-lo e elaborar estratégias para que ele seja cumprido, sim. Nesse sentido, as práticas de learning se destacam.

Pensando nisso, elaboramos este material para que você entenda um pouco mais sobre esses diferentes tópicos.

Relembre o ciclo de gestão de desempenho

Primeiro, vale lembrarmos sobre o ciclo de gestão de desempenho como um todo. Herman Aguinis, um dos principais acadêmicos da psicologia organizacional, define gestão de desempenho como “o processo contínuo de identificação, mensuração e desenvolvimento do desempenho de indivíduos e times, e o alinhamento desse desempenho com os objetivos estratégicos da organização”.

A gestão de desempenho nas empresas existe para melhorar a performance da organização por meio do desempenho de cada uma das pessoas colaboradoras, individualmente ou coletivamente.

Avaliação de desempenho no ciclo

Conforme abordamos, a Avaliação de Desempenho é o ápice de um processo bem estruturado de gestão de desempenho. Depois que ocorre a devolutiva, existe a necessidade de traçar meios para que a pessoa possa se desenvolver.

Plano de Desenvolvimento Individual no ciclo

O PDI, então, vai definir expectativas entre colaborador, liderança e a organização. Trata-se do norte que a pessoa terá durante esse ciclo e que deve ser complementado por um plano de ação por área de desenvolvimento.

O ideal é que o PDI seja composto a partir das áreas que foram percebidas como destaques positivos e destaques negativos na última avaliação de desempenho. Além disso, é importante que os tópicos estejam alinhados às necessidades do negócio e às perspectivas e expectativas de carreira da pessoa colaboradora.

Independentemente qual seja a área de desenvolvimento da pessoa colaboradora definida no PDI, ela servirá de expectativas que ficam combinadas entre o(a) profissional de um lado e, de outro, o gestor e a empresa — em relação ao ciclo que se inicia.

Você também pode gostar destes conteúdos:

👉 Qual a relação entre gestão de desempenho e learning?

👉 Experiência de aprendizagem corporativa: entenda a importância

👉 Aprendizagem adaptativa: entenda a importância para as empresas

Entenda como as práticas de learning estão alinhadas a esse processo

Como abordamos, um dos principais desafios para um PDI efetivo está relacionado ao acompanhamento e à definição de planos de ação que de fato contribuem para o desenvolvimento da pessoa colaboradora.

Para auxiliar o(a) profissional a desenvolver um bom PDI, é importante que as lideranças:

  • alinhem uma área que pretende se desenvolver — conforme abordamos, essa área deve estar alinhada aos objetivos do liderado ou liderada e também às expectativas da empresa;
  • construam um PDI com estratégias específicas — um dos principais erros no momento de elaborar um PDI está relacionado à definição de estratégias superficiais ou planos de ação que não são efetivos na prática;
  • acompanhem o PDI periodicamente — nas reuniões de one-on-one, não deixe de acompanhar o plano de ação e quais são os desafios que a pessoa enfrentou ao longo dos dias;
  • definam um cronograma — isso contribuirá para que o planejamento das ações seja acompanhado com mais efetividade.

Definição de estratégias específicas

Como vimos, a definição de estratégias específicas é uma das etapas mais importantes para a construção de um PDI. Para aprimorá-lo, é essencial contar com bons treinamentos e cursos para o time.

Entenda: suponhamos que, na Avaliação de Desempenho, identificou-se que a pessoa liderada precisa se desenvolver em liderança e em comunicação. No plano de ação a ser definido, treinamentos que envolvam esse tópico podem ser implementados para aquela profissional.

Esse tipo de estratégia, inclusive, contribui para uma maior satisfação de colaboradores e colaboradoras, pois fornece o sentimento de que o negócio se preocupa com o seu desenvolvimento e busca práticas para que ele(a) possa se aperfeiçoar mais.

Dados sobre os treinamentos nas empresas

E essa é uma ação pouco praticada no país até o momento. De acordo com o 16° panorama de treinamento no Brasil, enquanto nos Estados Unidos há um investimento de U$ 1267 por pessoa colaboradora, no Brasil esse número é de R$ 758, o que significa que esse número é 8 vezes menor. Além disso, nos EUA, a média anual de treinamentos é de 35 horas, contra 24 no país.

Porém, segundo o mesmo estudo, alguns indicadores nos indicam melhorias:

  • 86% das empresas brasileiras já contam com um orçamento para treinamento no país;
  • 35% das empresas brasileiras têm universidade corporativa.

No entanto, especialmente nas grandes empresas, é preciso levar em conta o absenteísmo. Esse índice, no estudo de 2021 em relação a 2020 aumentou 42%. Uma outra conclusão do estudo está relacionado ao tamanho da organização: quanto maior ela é, maior o absenteísmo.

Uma mudança significativa levando em consideração esse cenário é de que, há 2 anos, 71% dos treinamentos eram feitos de forma presencial. Hoje, 69% dessas mesmas empresas é online ou em algum meio EAD, o que leva ao negócio a buscar por plataformas e ferramentas que auxiliam nesse sentido.

Para 2022, o cenário pouco mudará: metade das respostas ainda trazem o treinamento online, híbrido, EAD ou alguma plataforma de aprendizado e de inteligência artificial como algumas das tendências. Além disso, tópicos como autodesenvolvimento, cultura de aprendizagem, protagonista, inovação e liderança estão mais presentes.

E você, o que achou de conhecer um pouco mais sobre a relação entre PDI e as práticas de learning? Como vimos, as empresas têm investido cada vez mais em estratégias como essas. Por essa razão, é importante estar atento a essas práticas do mercado e a buscar ferramentas que auxiliem nesse sentido.

Quando em uma mesma solução você consegue fazer a integração de todo esse processo, desde a avaliação até às estratégias de desenvolvimento, tudo fica mais fácil. Por isso, convidamos você a entrar em contato com a nossa equipe, conversar com o time e tirar suas dúvidas!